11.19.2008

5 de cada Vez - V

Esta 'rubrica' visa dar a conhecer todos os 35 filmes que se encontram na pergunta ao lado, esta é a quinta edição do 5 de cada vez, podem ler a primeira, segunda, terceira e quarta

Red Cliff

O novo filme de John Woo (Mission Impossible II, Face\off na américa) é o seu regresso a territótio chinês com o filme mais caro de sempre daquele continente.
O cineasta de Hong Kong, que alterou o panorama daquela zona no que diz respeito ao cinema de acção (um pouco como johnnie To), faz este épico chinês (financiado na Ásia) em chinês, de 4 horas, dividido em dias partes para o mercado chinês, mas para nós, ocidentais, limitar-nos-hemos com as 2h15m que estreará por cá para o ano e nos EUA está marcado para Janeiro.
O filme de época conta a batalha do Red Cliff no tempo da dinastia Han aquando dos 3 Reinos.
O filme conta com actores como Tony Leung (o actor fetiche de Kar way), Takeshi Kaneshiro (house of the flying daggers) e Chen Chang (Crouching Tiger, Hidden Dragon; e também actor fetiche de Kar way).
Pode ver-se a trailer da primeira parte, assim como o teaser e os primeiros 9 minutos do filme e também o trailer da segunda parte, aqui.


Ponyo on the cliff by the sea


Filme apresentado no último festival de Veneza e que conquistou a crítica, é a nova obra de Hayao Miyazaki (A viagem de Chihiro, Castelo andante, Princesa Mononoke) que conta uma versão japonesa e ambiental da pequena sereia. Mas de facto a componente ambiental dos filme é a componente mais importante num filme que se mostra como algo mais do que um simples filme para crianças, tendo a sua vertente didáctica muito desenvolvida.
Basta ver o trailer, para nos lembramos da maravilha que era Princesa Mononoke e do certo paganismo que Miyazaki desenvolve nas relações dos personagens com a natureza, dos deuses da floresta e da sua capacidade criativa e imagética, na formação de história absolutamente trespassantes, que nos levam de novo à infância.


Waltz with Bashir

Continuando na senda da animação, este é u dos concorrentes ao oscar da especialidade, o filme foi apresentado em Cannes e teve muito boa recepção da crítica, foi apresentado em Ante-estreia em Portugal na semana do cinema francês e estreará na última quinta-feira do ano.
O filme pode ser uma das mais inovadoras obras do ano, trata-se de um documentário animado (que não pode concorrer a melhor documentário da academia) e que conta a história de um realizador (o realizador) que é incapaz de se recordar da guerra do Líbano na qual participou nos anos 80 e que através de entrevistas vai tentando recordar, no entanto isto tudo se inicia com os pesadelos repetidos de um amigo seu que também havia participado na guerra e que sonha sempre que é perseguido por 26 cães. O filme balanceia a realidade e a pesadelo de forma arrepiante e o realizador começa a lembrar-se de tudo mas de uma forma tão surrealista que só mesmo a animação pode representar de forma fiel.
Vencedor de 6 prémios da academia israelita, incluindo melhor filme e realizador.


La Mujer sin cabeza

Outro dos grandes filmes apresentados em cannes foi este, da inteligentíssima realizadora Lucrecia Martel (aquela que fez o La nina santa e La Cienega- The Swamp- produzido pelo Almodovar), esta realizadora argentina é uma das novas realizadoras mundiais a que se pode veradadeiramente falar como autora, acustumada a ambientes tensos e asfixiantes (tem o seu quê de Lynch) e segundo Eurico de barros este último filme fez com que os seus espectadores saissem da sala como se tivessem acabado de nascer, olhando as coisas em redor e tentanto agarrar-se à realidade que o filme lhes tinha sugado.
em poucas palavras a história trata da paranoia de uma mulher que depois de atropelar algo começa a envolver-se (a si e ao marido) um circulo compusivo de locura na busca de uma explicação para o que é que tinha sido atropelado, descobrindo (suponho eu a partir do título) que decapitou alguém.


El cant dels ocells

Apresentado e Cannes e agora nos português Estoril film festival, este é novo filme de Albert Serra, aquele realizador espanhol (que com este tem um reportório de apenas três filmes que escreveu, realizou, produziu e montou) foi o senhor que fez aquele OVNI de à dois anos chamado Honor de Cavalleria que era uma versão de Dom Quixote muito natural e muito pouco convencional.
O seu trabalho, na altura era uma obra toda filmada em mini-dv com uma textura extraordinária e que alcançava a partir de unicamente dois actores e quase sem banda sonora certos momentos de relação pura Homem\Natureza.
Este novo filme, versa sobre a viagem dos Reis magos, e mais não sei. Em inglês chama-se Birdsong

P.S.:peço desculpas aos possíveis leitores pela ausência de actividade por estas bandas, e aviso que a hibernação se manterá - com um post ocasional- mas dentro em breve tudo voltará à regularidade diária

2 comentários:

José Oliveira disse...

como eu queria ver esses dois últimos, do Serra e da Martel. E eu gosto imenso do John Woo, mesmo de alguns da fase americana. Era bom que regressasse à boa forma.

Ricardo disse...

assim espero que aconteça, e pelo que se tem podido ver, o Red cliff é um épico qual The Hero ou Crouching Tiger, Hidden Dragon.
E é com muitas expectativas que vejo la mujer sin cabeza e El cant dels ocels (se quiseres ter uma ideia do filme vai ao Stranger than paradise que ele já o viu no Estoril film festival), mas sinceramente tenho mais curiosidade com o de Martel.